Necrogovernamentabilidade e a crise da COVID-19

Delmo Mattos da Silva, Fernanda Caroline Campos Amorim

Resumo


O artigo examina a problemática da necropolítica e sua relação com a crise da COVID-19. Trata-se, portanto, de discutir a formação do vírus como inimigo do funcionamento da máquina estatal. Diante disso, expõe-se as determinações de uma política de morte que opera de forma sistêmica, objetiva e pontual colocando em execução a máxima do biopoder: “deixar morrer”. Partindo disso, problematizam-se as configurações das categorias da gestão da vida, que pretende também reafirmar determinações sobre o controle da morte, para demonstrar o atributo da soberania na atualidade, em seu exercício legítimo do direito de matar através das políticas de inimizade.

Palavras-chave: Morte. Inimizade. Necropolítica. Inimigo. Biopoder.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer, o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 12. ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2014.

ALVES, Antonio J. L. A morte como categoria filosófica: finitude e determinação em Feuerbach. Revista Dialectus, n. 6, 2015, p. 107-123.

BENTO, B. Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos pagu (53), 2018.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DEAN, M. Governmentality: power and rule in modern society. London: Sage, 1999.

HILÁRIO. L. C. Da Biopolitica à Necropolítica: Variações Foucaultianas na Periferia do Capitalismo. Sapere aude. Belo Horizonte, v. 7, n. 12, p. 194-210, Jan./Jun. 2016

FORTI, Simona. Vida del espíritu y tiempo de la polis. Ediciones Cátedra: Madrid, 2001.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2000.

______. Vigiar e punir. São Paulo: Leya, 2014.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: N-1 edições, 2018.

______. Políticas de Inimizade. Lisboa: Antígona, 2017.

MENEGAT, M. O Olho da Barbárie. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

PRECIADO, Paul B. Aprendendo com o vírus. Disponível em: http://agbcampinas.com.br/site/2020/paul-b-preciado-aprendendo-com-o-virus/. Acesso em: 10 out. 2020.

MAC GREGOR, Helena C. Necropolítica: la política como trabajo de muerte. Ábaco. Revista de Cultura y Ciencias Sociales, n. 78, 2013, p. 23-30.

PELBART, Peter Pal. Vida capital: Ensaios de biopolítica. São Paulo: Editora Iluminuras, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.