A Religião como causa da ciência experimental

Manuel Rolph de Viveiros Cabeceiras, Hiago Maimone da Silva Rebello

Resumo


Resumo: A noção de que a religião é uma guia e uma impulsionadora para do progresso, é velha e já tem seus famosos defensores e defesas. Mircea Eliade e Christopher Dawson demonstraram as bases e justificativas que apontam que o fenômeno da religiosidade é algo organizador e detém uma crucial promoção de sentido para determinar o arranjo estável de uma sociedade e até mesmo o progresso existente na mesma – contudo, há de se perguntar se até mesmo o cerne gerador da ciência experimental, isto é, uma metodologia, também não foi causado por motivos e circunstâncias religiosas que moldavam a Europa no medievo central, onde Roger Bacon irá criar, gerir e batizar a ciência experimental.

Palavras-chave: Religião. Ciência Experimental. Medieval. Roger Bacon. Christopher Dawson.

Abstract: The notion that religion is a guide and a propelling force for the progress is old and has already its famous defenders and defenses. Mircea Eliade and Christopher Dawson demonstrated the bases and justifications which point that religious phenomenon organizes and promotes sense to determinate the stable disposition of a society and even the progress found in the same society – however, one has to ask if even the heartwood of the experimental science generator, which is a methodology, was not also caused by religiousreasons and circumstances which molded Europe in the central Middle Age, where Roger Bacon will create, generate and baptize the experimental science.

Keywords: Religion. Experimental Science. Medieval. Roger Bacon. Christopher Dawson.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ARISTÓTELES. Metafísica. 2. ed., São Paulo: Edipro, 2012.

BACON, Roger. Opus Majus. Tradução de Robert Belle Burke. 2. ed., New York: Russel

& Russel, 1962.

DAWSON, Christopher. Progresso e Religião: uma investigação histórica. São Paulo: É

Realizações, 2012.

ELIADE, Mircea. História das crenças e das ideias religiosas: de Gautama Buda ao

triunfo do cristianismo, v. III. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

______. Mito e Realidade. 6. ed., São Paulo: Perspectiva, 2016.

______. O Sagrado e o Profano: a essência das religiões. 3. ed., São Paulo: WMF

Martins Fontes, 2013.

Como o milenarismo marxista e o que herdou das concepções hegelianas sobre a História

(ELIADE, 2016, p. 65).

GILSON, Étienne. A Filosofia na Idade Média. 3. ed., São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

GRANT, Edward. História da Filosofia Natural: do Mundo Antigo ao Século XIX. São

Paulo: Madras, 2009.

HACKETT, Jeremiah (org.) Roger Bacon and the sciences: commemorative essays.

Leiden, New York, Köln: Brill, 1997.

HOCHBERG, Herbert. The Empirical Philosophy of Roger and Francis Bacon.

Philosophy of Science, v. 20, n. 4, outubro de 1953, p. 313-326.

LE GOFF, Jaques. Os Intelectuais na Idade Média. 6. ed., Rio de Janeiro: José

Olympio, 2014.

LECLERCQ, Jean. O amor às letras e o desejo de Deus: iniciação aos autores monásticos

da Idade Média. 2012, São Paulo: Paulus, 2012.

LINDBERG, David C. Roger Bacon and the Patristic Tradition. Isis, v. 78, n. 4, dezembro de 1987, p. 518-536.

______. The Beginnings of the Western Science: the European scientific tradition in philosophical, religious, and institutional context, Prehistory to A.D. 1450. 2. ed., Chicago:

University of Chicago Press, 2007.

MINOIS, Georges. História do Futuro: dos profetas à prospectiva. São Paulo: Editora

UNESP, 2016.

THORNDIKE, Lynn. Roger Bacon and experimental method in the Middle Ages. The

Philosophical Review, v. 23, n. 3, maio de 1914, p. 468-480.

______. The True Roger Bacon, II. The American Historical Review, v. 21, n. 3, Abril

de 1916.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.