Direito à Cidade versus Austeridade Neoliberal

Humberto Machado Lima Jr.

Resumo


Resumo: Neste artigo investigaremos a trajetória da construção do conceito de Direito à Cidade adotado pelos movimentos contrários à austeridade neoliberal (posteriores à crise mundial de 2008) na construção de seu projeto político. Tal projeto é marcado pelo objetivo de superação das formas de acumulação de capital no planejamento urbano através da democratização do acesso aos bens e serviços públicos que a cidade tem a oferecer. Na trajetória de formação deste conceito, será analisado o conceito de espaço nas teorias sociológicas de George Simmel e da Escola de Chicago e como esses estudos foram assimilados à definição marxista de Direito à Cidade formulada pelo filósofo Henri Lefebvre e ressignificada por seus críticos.

Palavras-chave: Espaço urbano. Democracia. Capitalismo. Movimentos sociais.

Abstract: In this article we will investigate the trajectory of the construction of the concept of the Right to the City adopted by movements against neoliberal austerity (after the 2008 world crisis) in the construction of their political project. Such project is marked by the aim to overcome the forms of capital accumulation in urban planning by democratizing access to public goods and services that the city has to offer. In the trajectory of the formation of this concept, the concept of space will be analysed in the sociological theories of George Simmel and of the Chicago School and how these studies were assimilated by the Marxist definition of Right to the City formulated by the philosopher Henri Lefebvre and reframed by his critics.

Keywords: Urban space. Democracy. Capitalism. Social movements.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Perry. Balanço do Neoliberalismo. In : SADER, Emir & GENTILLY,

Pablo (orgs) Pós Neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de

Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BAUMAN, Zygmunt. Capitalismo Parasitário. São Paulo: Ed. Zahar, 2010.

BELL, Daniel. O Advento da Sociedade Pós-Industrial: uma tentativa de previsão social.

São Paulo: Cultrix, 1977.

BICUDO BÁRBARA, Lenin. A vida e as formas da sociologia de Simmel. Tempo Social:

Revista de Sociologia da USP, v. 26, n. 2, 2014.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de

Política. Brasília: Ed. UNB, 1983.

BRINGEL, Breno; Echart, Enara. Dez anos de Seattle, o movimento antiglobalização e a

ação coletiva transnacional. Unisinos. 46(1):28-36, janeiro/abril 2010.

CARVALHO, Rodrigo Chaves; MODESTO, Rodrigo Prado. Crítica e sentido na modernidade: Marx e Simmel. Revista Eletrônica de Ciências Sociais. Nov. 2007)

CASTELLS, M. (1972). A questão urbana. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

CASTELLS, Manuel (org.). Imperialismo y urbanizacion en América Latina. Barcelona:

Gustavo Gili, 1973.

CASTELLS, Manuel. The City and the grassroots. Univ. of California Press, 1983.

COELHO DE SOUZA, Perci. Uma crítica francesa acerca do espaço urbano. Ser

Social. Brasília, Dez. 2005.

FERNANDES ANTUNES, Henrique. O modo de vida urbano: pensando as metrópoles

a partir das obras de George Simmel e Louis Wirth. Ponto Urbe 15, 2014.

FORTUNA, Carlos (org). Plural de Cidade: novos rumos léxicos. Lisboa:

Almedina, 2009.

FUKUYAMA, Francis. The End of History and the Last Man. New York: Free

Press, 2006.

GERBAUDO, Paolo. The Mask and the Flag. Oxford: Oxford University Press. 2017.

______. Tweets and the Streets: Social Media and Contemporary Activism. London:

Pluto Press, 2012.

GIRALDO, Pedro Chaves. La movilización de los Indignados: uma explicación sociopolítica. Paideia. n. 94, maio-agosto 2012.

GRAEBER, David. The New Anarchists. New Left Review. 13. January-February, 2002.

GURZA, Adrian; ISUNZA, Ernesto. A trama da crítica democrática: da participação à

representação e à accauntability. São Paulo: Lua Nova, 2011.

HABERMAS, J. The theory of communicative action. v.1. Reason and the rationalizalion of society. Boston: Beacon Press, 1984.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

______. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins

Fontes, 2014.

______. The Right to the City. New Left Review. n. 53, 2008.

______. A liberdade da cidade. GEOUSP – Espaço e Tempo. São Paulo. n. 26, 2009.

______. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

______. Os rebeldes na rua: o Partido de Wall Street encontra sua nêmesis. In: D.

HARVEY; H. S. CARNEIRO; S. ZIZEK; J.A. PECHANSKY; G. ALVES; M. DAVIS; V.

SAFATLE; T. ALI; I. WALLERSTEIN; E. TELES; E., 2008.

SADER. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo:

Boitempo, 2012.

LACLAU, Ernesto. A Razão Populista. São Paulo: Ed. Três Estrelas, 2013.

______. Os novos movimentos sociais e a pluralidade do social. Revista Brasileira de

Ciências Sociais, n. 2, v. 1, out. 1986.

LEFEBVRE, Henry. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: Ed. UFMG. 1970/1999.

______. Espaço e Política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1972/2008.

______. La Production de l’Espace. Paris: Ed. Anthropos, 1974/2000.

______. O Direito à Cidade. Lisboa: Ed. Letra Livre, 1968/2012.

LENIN, Wladimir. Que Fazer? São Paulo: Martins Fontes, 1902-2006.

MACIEL, David. Marx e a Comuna de Paris. História Revista. v.16, n. 2. UFG, 2011.

MANNHEIM, Karl (1929). Ideologia e Utopia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1960.

MOTA, Leonardo de Araújo e. Os movimentos sociais na crise financeira global: questões e polêmicas. Unisinos. 49(3):288-296, setembro/dezembro 2013.

PARK, Robert Ezra. (1925) A cidade: sugestões para a investigação do comportamento

humano no meio urbano. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano.

Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.

PICKERILL, J. Why does occupy matter ? Social Movements Studies. v.11, 2012.

PLEYERS, G. Alter-globalization: becoming actors in the global age. Cambridge, 2010.

RIBEIRO ALVES, Luis Carlos. O homem e a alienação dos manuscritos econômico-filosóficos de 1844 de Marx. Pólemos, Brasília, v. 1, n. 2, dezembro 2012.

SAFATLE, V. Amar uma ideia. In: D. HARVEY; H.S. CARNEIRO; S. ZIZEK; J.A.

PECHANSKY; G. ALVES; M. DAVIS; V. SAFATLE; T. ALI; I. WALLERSTEIN; E.

TELES; E. SADER, Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo:

Boitempo, 2012.

SANTOS, Boaventura. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade.

São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Portugal: ensaio contra a autoflagelação. Coimbra:

Almedina, 2011.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São

Paulo: Edusp, 2009

______. A urbanização brasileira. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2009.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Cidadania e Justiça: a política social na ordem

brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1979.

SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos. Urban common space, heterotopia and the

right to the city: Reflections on the ideas of Henri Lefebvre and David Harvey. Urbe.

Revista Brasileira de Gestão Urbana. v. 6, p. 146-157, 2014.

SIMEL, Georg. (1903). Sociologia do Espaço. Estudos Avançados 27 (79), 2013.

SINGER, Paul. Um governo de esquerda para todos: Luiza Erundina na Prefeitura de

São Paulo (1989-1992). São Paulo: Brasiliense, 1996.

SOEIRO, José. Da Geração à Rasca ao Que se lixe a Troika. Portugal no novo ciclo

internacional de protesto. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. v.

, 2014.

THÉ, Nicole; SORIANO, G. Na primavera de 2016, um movimento inesperado: Nuit

Debout (“De pé à noite”) em Paris. Passa a Palavra. 01- 09-2016. Disponível em:

http://passapalavra.info/2016/09/109138

VELHO, Otávio. O Fenômeno Urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

WEBER, Max. The City. London: The Free Press, 1966.

______. Economia e Sociedade. Brasília Ed. UNB, 2009.

WIRTH, Louis. (1938). O urbanismo como modo de vida. In: VELHO, Otávio

Guilherme (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.